domingo, 15 de abril de 2018

Receita: Pudim de pão velho

Imagem relacionada
INGREDIENTES
8 pães amanhecidos tipo francês
4 ovos inteiros
2 colheres de açúcar
2 copos de leite
1 pacote de coco ralado (natural)
1 colher de margarina
1/2 lata de leite condensado

MODO DE PREPARO
Em um recepiente coloque os pães de molho com um pouco de água até ficar bem molinho.
Com as mãos esprema estes pães até obter um massa tipo mingau, então acrescente todos os outros ingredientes (menos o coco ralado) e mexa bem.
Unte uma forma com margarina e polvilhe farinha de trigo e despeje a massa.
Polvilhe com o coco ralado por cima, leve ao forno por uns 25 minutos ou até dourar a parte de cima.
Agora espere esfriar e é só saborear!

terça-feira, 7 de fevereiro de 2017

50 Cent supera falência, após pagar mais de oito milhões de dólares em divida

 Captura de Ecrã 440
O rapper Curtis James Jackson, popularmente conhecido por 50 Cent, pagou uma divida de quase 8,7 milhões de dólares para poder se levantar da falência.

Em 2015, o rapper tinha declarado falência, com uma divida de mais de 8,7 milhões de dólares por pagar, com um prazo de apenas 4 anos, mas, parece que James, conseguiu fazê-lo em menos tempo.

Agora, o ator, roteirista, e empresário norte-americano, autor de “In da club”, faz questão de mostrar seu património, e provar que já liquidou dua divida, segundo o site norte-americano Page Six que adiantou a noticia.

segunda-feira, 6 de fevereiro de 2017

Jovens com mais de 18 anos não foram admitidos em escola do segundo ciclo, revela os cidadãos angolanos.

Resultado de imagem para jovens angolanos de 18 anos
Nelson Mucazo Euclides, de 28 anos, é estudante de Direito no Instituto Superior de Ciências de Administração e Humanas, em Luanda.
Escola do primeiro ciclo do ensino secundário número 145 Kapango - A
Escola do primeiro ciclo do ensino secundário número 145 Kapango - A
Algumas semanas atrás ele visitou escolas em Luena, capital da província do Moxico, e constatou que estudantes que haviam terminado o primeiro ciclo e tinham mais de 18 anos não foram admitidos em escolas do segundo ciclo.

Uma das instituições visitadas por Euclides foi a Escola do Primeiro Ciclo do Ensino Secundário número 145 Kapango.

Ele conversou com alguns funcionários sobre o problema dos jovens e a resposta dada a ele foi de que há um decreto que justifica o procedimento tomado pelas escolas.
Escola do primeiro ciclo do ensino secundário número 145 Kapango - B
Escola do primeiro ciclo do ensino secundário número 145 Kapango - B
“O Moxico é um outro país. Acho que as leis que vigoram aqui nessa província são diferentes das outras leis de Angola”.

Euclides disse que esta semana uma carta será enviada ao governador da província do Moxico para relatar a situação dos jovens com mais de 19 anos que foram excluídos do sistema de ensino.
Escola do primeiro ciclo do ensino secundário número 145 Kapango - C
Escola do primeiro ciclo do ensino secundário número 145 Kapango - C
“Os nossos jovens aqui não fazem nada porque não tem onde se queixar. Não temos uma rádio privada onde se pode queixar-se, e aqui é tudo controlado".

domingo, 5 de fevereiro de 2017

Saída de Eduardo dos Santos é tardia, "mas pelo menos vai de próprio pé" - Luaty Beirão.

Saída de Eduardo dos Santos é tardia, "mas pelo menos vai de próprio pé" - Luaty Beirão

O anúncio da não recandidatura de José Eduardo dos Santos à Presidência angolana peca por tardia, "mas pelo menos vai de próprio pé", disse hoje à Lusa o ativista angolano Luaty Beirão.

“Não consegui ficar empolgado com a notícia do José Eduardo, apesar de estar muito satisfeito que ele tenha conseguido sair de própria iniciativa e evitado o triste ‘cliché’ africano”, disse Luaty Beirão, que considera que anúncio “já vai tarde, mas pelo menos vai de próprio pé”.

O presidente do Movimento Popular de Libertação de Angola (MPLA) e chefe de Estado angolano, José Eduardo dos Santos, anunciou sexta-feira que não irá recandidatar-se ao cargo de Presidente da República nas eleições gerais deste ano, deixando assim o poder em Angola ao fim de 38 anos.

O anúncio foi feito na abertura dos trabalhos da reunião do Comité Central do MPLA, que serviu para aprovar as listas de candidatos a deputados nas eleições previstas para agosto.

Apesar de não integrar as listas, José Eduardo dos Santos foi eleito em agosto último para novo mandato como presidente do MPLA e anteriormente ainda, em março, anunciou que pretendia deixar a vida política em 2018.

No discurso de sexta-feira, José Eduardo dos Santos anunciou – o que aconteceu pela primeira vez publicamente – que já está aprovado o nome do vice-presidente do partido e ministro da Defesa, João Lourenço, para cabeça-de-lista do MPLA às próximas eleições gerais, e candidato a Presidente da República.

Luaty Beirão disse à Lusa que não conhece “suficientemente” João Lourenço.

“Não conheço suficientemente o João Lourenço para acreditar que alguma coisa irá mudar com este MPLA de jurássicos com os seus enormes e farfalhudos rabos-de-palha. Não creio que os chame para um baile coletivo ‘à volta da fogueira’ para mostrar a todos ‘o que custa a liberdade’. Adoraria estar errado”, considerou.

Luaty Beirão foi um dos 17 ativistas detidos em junho de 2015 por estarem juntos a ler e a debater o conteúdo do livro de Gene Sharp “Da Ditadura à Democracia”, tendo sobrevivido a duas greves da fome, uma das quais de 36 dias.

Os ativistas foram condenados a penas de prisão efetiva entre dois anos e três meses e oito anos e seis meses, por atos preparatórios para uma rebelião e associação de malfeitores e libertados a 29 de junho de 2016 por decisão do Tribunal Supremo, que deu provimento ao ‘habeas corpus’ apresentado pela defesa, pedindo que aguardassem em liberdade o resultado dos recursos da sentença da primeira instância.

Foram depois abrangidos por uma amnistia, prevista numa lei aprovada pelo parlamento angolano.

Fonte: LUSA

Angola: Edivania do Carmo diz que não roubou o telemóvel de Edmazia

 image26

A apresentadora do programa Tchilar da TPA2, Edivania do Carmo, mostrou-se “revoltada” e decidiu desabafar nas redes sócias, sobre a polémica envolvendo a “Melhor Voz Feminina de 2016, Edmázia Mayembe.

Na tarde deste domingo 5, Edivania usou a sua conta de uma rede social, para contar a sua versão da história, onde começou por dizer que dorme e acorda tranquilamente, “Me deito e acordo de consciência tranquila, no que diz respeito aos valores, educação e conduta”. Confessou que não “roubou” telemóvel algum que segundo ela foi alvo de acusação por parte da cantora Edmazia, “refuto qualquer acusação de furto ou roubo de telemóvel de que fui alvo por parte da cantora Edmázia, convidada do programa Tchilar no passado mês de Dezembro”, e deixou claro que não mancharia a imagem da empresa em que trabalha porque jamais colocara sua ética em causa.

De relembrar que a suposta “briga” entre ambas, da-se ao facto de o actual marido da apresentadora Edivania do Carmo, já teve um relacionamento com a autora de “Meu herói”.

Recentemente em entrevista ao zap news, Edmazia falou que deseja felicidades aos dois e que a relação que teve com o marido de Edivania foi há muito tempo e tudo o que quer é que a deixem em paz.

Tribunal e Donald Trump em confronto


O presidente dos Estados Unidos Donald Trump descreveu de ridícula a decisão de um juiz federal que suspendeu a ordem presidencial de proibir a entrada de cidadãos de diversos países do Médio Oriente e prometeu apelar a decisão.

Os serviços de fronteira disseram que na sequência da ordem do juiz os viajantes desses países com um visto válido de entrada poderão entrar nos Estados Unidos.

Numa declaração a Casa Branca disse que vai iniciar o mais cedo possível um acção de emergência para uma suspensão da decisão do juiz acrescentando que a ordem do presidente era legal e apropriada.

Num tweet o presidente americano disse que os Estados Unidos enfrentarão grandes problemas se o país “não puder decidir quem pode e quem não pode entrar no país”.

Anteriormente o Departamento de Estado tinha afirmado que cerca de 60.000 vistos tinham sido provisoriamente cancelados na sequência da ordem presidencial proibindo temporariamente a entrada de cidadãos de sete países do Médio oriente e suspendendo indefinitivamente ao programa de entrada de refugiados sírios.

O Departamento de Estado disse que sequência da decisão do juiz tinha cancelado a revogação dos vistos já aprovados.

Fonte: VOA

sábado, 4 de fevereiro de 2017

Emana Cheezy - Mixtape Milénio 2 (Negros Honestos) //Download)

Milenio 2
 




NOTÍCIA: Angola, o começo da mudança

General João Manuel Gonçalves Lourenço, e Bornito de Sousa

José Eduardo dos Santos confirmou hoje que não será o cabeça de lista do MPLA nas eleições legislativas de Agosto. Pela Constituição angolana, isso quer dizer que se o partido vencer as eleições, o novo presidente de Angola será o general João Lourenço e o vice-presidente Bornito de Sousa.


É uma mudança histórica. Ao fim de 38 anos na liderança do grande país africano, José Eduardo dos Santos deixa o Palácio de onde dirigiu Angola durante uma sangrenta guerra civil, que acabou por vencer, lançando depois as bases de crescimento de uma pequena mas riquíssima elite suportada pelos elevados preços do petróleo. Servindo-se depois da Sonangol e, mais tarde, do Fundo Soberano que entregou ao seu filho Filomeno dos Santos, o presidente incentivou a internacionalização da economia angolana, que passou preferencialmente pela tomada de participações no mercado português em bancos, empresas de energia e telecomunicações e, nos últimos anos, no setor de comunicação social

A quebra das cotações do ouro negro nos últimos três anos trouxeram á superfície todas as fragilidades de um modelo assente quase exclusivamente numa única fonte de receitas. As tensões internas aumentaram, quer dentro do MPLA, quer a nível social, e a escolha da sua filha, Isabel dos Santos, para presidir à Sonangol não foi claramente uma decisão bem aceite por muitos setores ligados ao partido do governo. Para fugir ao garrote financeiro, estabeleceu relações económicas com Pequim, colocando o país numa situação de forte dependência de Pequim. Por duas vezes chamou o Fundo Monetário Internacional e por duas vezes prescindiu dos seus serviços e das suas imposições.

Pelo meio, ao longo dos 38 anos em que reinou, José Eduardo dos Santos promoveu e desfez os seus potenciais sucessores, o último dos quais, o ex-presidente Manuel Vicente, foi completamente cilindrado por manobras de bastidores que o fizeram passar de homem com uma forte reputação técnica internacional pelo seu desempenho à frente da Sonangol para o principal responsável pela situação de pré-falência da petrolífera angolana.Não vai ser fácil substituir José Eduardo dos Santos. É verdade que se trata de uma transição suave – ele continuará como presidente do MPLA pelo menos até 2019. Mas as dificuldades económicas e financeiras vão persistir, assim como o descontentamento social e da elite angolana. Por isso, o perfil e trajecto de João Lourenço fazem dele provavelmente a pessoa ideal para suceder a Eduardo dos Santos


José Eduardo dos Santos sempre foi exímio no tabuleiro político interno, mas soube igualmente tornar-se o interlocutor indispensável para todos os países com interesse em investir e fazer comércio com Angola – a tal ponto que sempre que se colocou a questão da sua sucessão, o desejo dos investidores internacionais foi sempre o de que continuasse no cargo.

Por tudo isto não vai ser fácil substituir José Eduardo dos Santos. É verdade que se trata de uma transição suave – ele continuará como presidente do MPLA pelo menos até 2019. Mas as dificuldades económicas e financeiras vão persistir, assim como o descontentamento social e da elite angolana. Por isso, o perfil e trajecto de João Lourenço fazem dele provavelmente a pessoa ideal para suceder a Eduardo dos Santos: não levanta anti-corpos nem junto dos militares nem do partido, e mesmo a oposição vê nele muito mais um agregador do que um divisor.

Como é que a História julgará José Eduardo dos Santos? Essa é a pergunta que só terá resposta daqui a quatro ou cinco décadas, quando a distância permitir perceber as múltiplas nuances do seu longo reinado. Mas todos os aspetos positivos serão valorizados se Angola fizer uma transição suave e se for aprofundada a frágil democracia que se vive no país – e toda a análise lhe será desfavorável se Angola mergulhar numa convulsão política, económica e social. O tempo se encarregará de dar a resposta.

Por Nicolau Santos | Expresso

MÚSICA: DJI TAFINHA-ADMITO (R&B)[DOWNLOAD]



NOTÍCIA: Donald Trump volta a criticar Schwarzenegger pelo "Aprendiz"

AFP

Donald Trump voltou a criticar Arnold Schwarzenegger, seu sucessor no reality show “O Aprendiz”, pela fraca audiência do programa.

“Sim, Arnold Schwarzenegger fez um trabalho ruim como Governador da Califórnia e um ainda pior no ‘Aprendiz’... mas pelo menos ele se esforçou”, escreveu o presidente dos Estados Unidos em seu Twitter nesta sexta-feira (3).

A alfinetada vem um dia após o bilionário ter pedido uma oração para o ator durante o National Prayer Breakfast. “Quando eu decidi concorrer a presidente, tive que deixar o programa”, disse o republicano. “Eles contrataram a grande estrela do cinema Arnold Schwarzenegger para me substituir e já sabemos o que aconteceu. Os números de audiência caíram muito. Tem sido um desastre completo”

Schwarzenegger não deixou barato e postou um vídeo rebatendo o presidente. “Hey Donald, tenho uma ótima ideia. Por que a gente não troca de emprego? Você assume a TV, já que você é um expert em audiência, e eu assumo o seu trabalho e as pessoas finalmente vão poder dormir em paz novamente”.

Mas essa não foi a primeira ocasião em que o presidente alfinetou seu substituto no "Aprendiz". Em janeiro, ele já havia reclamado da audiência do programa: "Saíram os dados de audiência e Arnold Schwarzenegger foi afligido (ou destruído), em comparação com a máquina de audiência DJT (as siglas de Donald J. Trump)", afirmou Trump em sua conta no Twitter.

"E isso porque é uma estrela de cinema e foi a temporada 1 comparada com a 14. Agora o comparem com minha primeira temporada. Mas quem se importa, ele apoiou (o pré-candidato presidencial republicano) John Kasich e (a candidata democrata) Hillary Clinton", acrescentou o multimilionário em uma série de mensagens.